Símbolos…aonde vislumbramos a eternidade… ( parte 2)


Deixei vocês no último post com uma pergunta: Como seria observar todas as formas e fenômenos, com o entendimento da consciência inocente e primitiva dos humanos, e imbuí-los de significado?

Seria um processo de constante descobertas. E foi nessas descobertas que emanaram-se certos sentimentos. E foram desses sentimentos que nasceram os significados para os símbolos.

A partir dos significados atribuídos aos símbolos da natureza, foi possível obter um salto quântico na linguagem escrita. Não mais a escrita se limitava apenas aos registros e sim à expressão do pensamento vivo! Os símbolos conseguiram transmitir visualmente conceitos intelectuais, portanto abstratos.

Não é lindo isso? Muito lindo!

E sabe por quê? Porquê os significados dos símbolos criados nessa Era, eram puros. A mente, exercendo seu poder de análise, chega a conclusões bem mais acertadas, quando desprovidas de pré-concepção, pois parte do “sentir” da pessoa, e não do “pensar”.

Ninguém pode negar que a Natureza carrega em si, a Inteligência e a Verdade Universal, que podemos também chamar de Inteligência e Verdade Divina.

Foi observando a Natureza, que o homem pode ter o entendimento da vida… do belo que inspira Amor, do feio que inspira Medo, da Presença Divina que permeia e rege a tudo.

Através da linguagem simbólica, foi possível assegurar que os ensinamentos continuassem puros, através dos anos.

No estudo dos símbolos, encontramos um portal para a evolução do pensamento humano e ensinamentos das civilizações mais antigas.

No mundo contemporâneo, não poderia ser diferente. Os símbolos estão por toda parte. Eles são a forma de comunicação mais forte, na linguagem midiática e na ferramenta da publicidade e marketing.

Muitas pessoas podem assumir que os significados mais antigos dos símbolos possam estar perdidos num passado bem remoto, porém, existe uma forma de acesso a eles: O Tarot.

No próximo artigo: A Origem do Tarot

Símbolos…aonde vislumbramos a eternidade… ( parte 1)

A linguagem escrita começou a ser criada através de símbolos, há 50.000 mil anos. E a consciência daquela época só tinha uma fonte para se inspirar e criar seus símbolos: a Natureza.

Até ai, tudo muito simples: observar e desenhar… porém, até chegar nesse ponto, a humanidade teve que desenvolver um processo mais complexo de inteligência e coordenação motora, para enfim registrar esses símbolos nas pedras. Nasce a escrita!

Nos primórdios, a escrita apenas fazia registros, porém com o avanço da consciência, nasceu o desejo de deixar registrado pensamentos, idéias e ensinamentos, que antes eram apenas passados em forma oral, de geração para geração.

É ai que o estudo dos símbolos toma um aspecto fascinante e iluminador.

Como seria, com o entendimento daquela época, olhar para formas da Natureza e definir um significado a elas?

Pegue símbolos como o sol, a lua, as estrelas…formas inatingíveis.

Pense em símbolos como a água e a chuva, a terra e a rocha….formas maláveis e palpáveis. O ar e o vento, as labaredas do fogo….formas abstratas e não palpáveis.

Visualize símbolos das plantas, flores, frutas, animais, peixes e aves……formas que alimentam e que podem matar.

A montanha e o penhasco…formas imponentes.

A gruta ou uma árvore…..formas acolhedoras.

Tem mais!

E quanto às cores: A cor do sangue, as cores da terra, as cores das plantas, das frutas e das flores, as cores do céu…

E os sons? O som da tempestade, da ventania, das trovoadas, dos mares, dos deslizamentos, de um vulcão em erupção….

Agora vamos um pouco mais além: o nascimento e a morte. O frescor da juventude e a decrepidez da velhice.

Pergunto de novo, como seria observar todas essas formas e fenômenos, com o entendimento da consciência inocente e primitiva dos humanos, e imbuí-los de significado?

Continua….